A tecnologia invade a vida das pessoas diariamente e os consultórios médicos não ficam para trás. Prontuários eletrônicos estão sendo cada vez mais utilizados pelos profissionais da saúde e, considerando a facilidade trazida por essa tecnologia, usar prontuários de papel já ficou fora de moda.

Você ainda está apegado ao papel? Conheça alguns motivos para abolir de vez os prontuários de papel da sua vida imediatamente.

1. OCUPAM MUITO ESPAÇO

Todo paciente deve ter um prontuário único, contendo todas as suas informações de saúde: histórico médico, condição clínica atual, queixas de saúde, diagnósticos, tratamentos farmacológicos, condutas e evoluções médicas. Esses dados demandam um monte de páginas e, quanto mais tempo o paciente é acompanhado pelo médico, mais o seu prontuário cresce. É muito papel para uma clínica só! E isso tudo para apenas um paciente — imagina para 10, 50 ou 100? Haja papel e espaço para armazenar todos eles!

2. SÃO DIFÍCEIS DE LER

Geralmente, a rotina de trabalho dos médicos é bastante corrida. Ter que anotar grandes quantidades de informações no prontuário de papel, à mão e em um intervalo de tempo curto, faz com que a letra do médico não fique tão bonita assim. O resultado disso? Informações totalmente ilegíveis. Imagina o sufoco que o colega de clínica, o paciente ou o próprio médico passa para ler o prontuário de papel futuramente? Haja habilidade para conseguir entender o que está escrito — e uma informação importante acaba se perdendo.

3. FACILITAM A PERDA DE INFORMAÇÕES

Os prontuários de papel permanecem guardados por longos períodos. Durante esse tempo, tem que ser desarquivados toda vez que o paciente retorna ao consultório e, posteriormente, arquivados novamente. Páginas de papel envelhecidas e muito mexidas podem se desprender, desbotarem ou se rasgarem. Várias informações essenciais se perdem dessa maneira, prejudicando o bom atendimento ao paciente.

4. SÃO DEMORADOS PARA SEREM PREENCHIDOS

Toda vez que o paciente chega ao consultório, seja ele um novo paciente ou não, diversos dados de saúde devem ser coletados e anotados no prontuário. Escrever todas as informações à mão toma bastante tempo. E se for necessária alguma prescrição medica? Nem se fala no tempo perdido tendo que escrever duas vezes no receituário e no prontuário médico. Esse tempo gasto escrevendo no papel seria muito melhor aproveitado no cuidado ao paciente, não é mesmo?!

5. SÃO DIFÍCEIS DE SEREM REVISADOS

Prontuários médicos geralmente são grandes e informações antigas, frequentemente, precisam ser resgatadas. Imagina ficar procurando dados médicos antigos em um prontuário de papel extenso, escrito à mão, e com várias palavras ilegíveis?! O processo, definitivamente, é pouco eficiente e muito demorado!

6. FICAM ESCONDIDOS NO CONSULTÓRIO

Prontuários de papel ficam arquivados em armários dentro dos consultórios médicos, o que impede o acesso remoto às suas informações. E se você precisar acessar os dados de um paciente quando não estiver no consultório? Impossível! Ou se outros profissionais da equipe precisarem, simultaneamente, ter acesso a essas informações, como faz? Colocar o prontuário em uma mesa e ler todo mundo junto? A situação, com certeza, seria muito complicada.

Viu como os prontuários de papel já estão extremamente ultrapassados? Afinal de contas, quando você quer mandar uma mensagem para alguém, você não redige uma carta, não é mesmo? E se você adota o e-mail, muito mais prático e organizado, por que não investir em um prontuário eletrônico? Desapegue do papel e saia do passado! Modernize a sua rotina hoje mesmo!

Você ou algum amigo já teve problemas com prontuários de papel ou já passou por boas experiências com o prontuário eletrônico? Conte para nós!

Guilherme Porto

Co-fundador do Doutore, engenheiro e apaixonado por gestão e tecnologia.


Publicado em